sábado, 26 de novembro de 2016

Improviso #3

vi uma mendiga
e lhe dei alguns trocados

ela agradeceu pela esmola
e me desejou um bom trabalho

meu ego ficou feliz

a mendiga continuou na mesma

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Improviso #2


lanço os princípios
de uma nova religião

princípio um

Satanás fez os homens
depois fez Deus
para que os homens pensassem
que foi Deus quem os fez

princípio dois

todos somos culpados
até mesmo os inocentes

princípio três

todos somos maus
todos somos insanos

frutos
impróprios para passarinhos

princípio quatro

a humanidade é o sonho
que Satã plantou em nossa mente
para nos torturar

princípio cinco

uma pomba devora
nosso fígado

seu nome é Sofia

princípio seis

pessoas vieram com lanternas

enfeitiçadas por suas próprias luzes
espalharam fagulhas

artificiais

princípio sete

uma nova definição
de humano:

quem confunde
vaga-lume com estrela

princípio oito

uma mariposa
vale mais que um avião

uma formiga
vale mais que uma bomba de hidrogênio

uma cigarra
embala a primavera no seu canto

um ornitorrinco
é mais gracioso que o melhor poema de                                                                                 [Baudelaire

mas ninguém liga

princípio nove

todo humano é um imbecil
em potencial

quase sempre em ato

princípio dez

a humildade deve ser carregada em uma                                                                                     [padiola

domingo, 13 de novembro de 2016

Improviso #1

começa o domingo

potenciais assassinos
às seis da manhã

trabalhadores escravos
que se sabem escravos
ou não

circulam os primeiros ônibus

olhos cansados
observam

           a vitrine

miram a mercadoria
para além da alma

          perdida
em algum fenômeno metafísico

um tempo em que ainda não havia máquinas

apenas humanos
e animais

ou seja
somente animais

na penumbra
a consciência se confunde

a alma
tenta escapar

da escuridão

útero primevo
útero de todos

amaldiçoado é o dia
que renega as trevas

mas qual luz
não despreza

a escuridão?

a cisão da alma
a cisão da carne

o espírito desejando ser absoluto

uma gargalhada em frente à loja

e o dia

insidiosa
            utopia

prossegue

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Aparição

a sigla

do corpo

cortada

pelo mistério


um sussurro

que atravessa

distâncias


teu rosto

em uma casa

que tomba


mesmo

que as estrelas

fossem

mármore


a realidade

éter

messiânico


tua presença

seria

supernova


com que dentes

de serra

serei

dilacerado?


com que vontade

correrei

até o Olimpo?


tua

aparição

fundamenta

nova

realidade